Arquivo | Pileques RSS feed for this section

Hoje é festa lá no meu apê

12 jun

Opa, que dia é hoje mesmo? Sabadão, dia internacional do rock, da balada, da night!

Tudo bem que é Dia dos Namorados, mas das duas, uma: se está comprometido, vai ser um dia tranquilo e romântico. Mais tarde você vai sair com seu par pra jantar e por aí vai. Mas se vc está solteiro, sozinho, aleatório, vai caçar alguma coisa pra fazer – e/ou vai à caça.

Opções não faltam: barzinho, boate, shows… pelo amor de Deus, não vá ao cinema, muito menos sozinho. Nem pense em ficar em casa vendo filme, mais uma vez, sozinho. Depressão de 3º grau.

Não estamos nem na metade do mês, mas se você já gastou mais da metade da sua mesada/bolsa/salário, uma opção que cabe no bolso é a famosa festa no apê. Se a república onde mora só tem solteiros então, a diversão é garantida (quem namorar não vai ousar em levar o companheiro pra casa).

República que passou pela vida sem uma festinha não é república. Em Ouro Preto, tem social (como são chamadas as festas nas repúblicas) de terça a domingo. Lá as repúblicas se juntam e cada dia a festa é em uma. Aqui em Vitória, uma república que se divertiu ano passado foi a Resta 1. Aniversários, festas surpresas, datas comemorativas.. tudo foi motivo pra reunir a galera.

Guia Morando Fora de Casa

Para uma festa no apê de sucesso, junte o máximo a quantidade suficiente de pessoas que caibam na sua sala. Ajeite o som (não muito alto pra não encomodar os vizinhos), bata um papo 10 com o porteiro, recolha uns R$15 de cada um, compre os comes e bebes, afaste o sofá e está pronta uma das festas mais divertidas, confortáveis e baratas da sua vida!

Quando a festa começa a ficar boa...


Divirta-se e nos chame!

Por Francine Leite

Anúncios

Da lama pra cama

8 abr

Estudantes da UFV na lama, literalmente.

Não…essa foto não representa uma cena de trote. É um tipo de festa que acontece na cidade universitária de Viçosa – MG. A Cervejada é uma festa organizada pelas turmas da Universidade Federal de Viçosa (UFV) que estão se formando. O dinheiro arrecadado é mais uma contribuição para a festa de formatura que está por vir. Essa festa é realizada em sítios que possam formar esse “mar” de lama. A intenção é extravasar mesmo; isso porque é uma das últimas festas que alguns estudantes vão organizar e curtir.

Os anos vividos em uma universidade, longe de casa, passando sufocos para avançar de período, longe da família, valem a pena. “As amizades, as festas, também ficam para a vida toda”, diz o estudante de engenharia de produção J. P. que se forma esse ano. O que não falta por lá além de muito esforço para ter o diploma em mãos é muita festa organizada pelos universitários.

Na última cervejada (digamos, lamaçadas) deste ano, B.A., estudante de Engenharia Florestal da UFV, voltou para sua república demasiadamente sujo (jura?), e completamente embreagado, no sentido também sujo da palavra. Para encarar as típicas escadas de prédios onde estudantes moram, ele se agarrava no corrimão. Quando sentia que estava prestes a cair, “carimbava” as paredes.

Girando a chave, abrindo a porta, chegando ao quarto, deitando na cama todo sujo… B.A. deixou sua marca por todo o percurso, virou a prova “viva” da autoria de toda aquela sujeira. O resultado não poderia ser outro: no outro dia, de manhã, o síndico toca a campainha, muito bravo, e imediatamente incumbe o garoto de limpar toda aquela sujeira. E não tinha nem como negar, dizer que não foi B.A. o autor de toda aquela sujeira. O síndico viu o apartamento abarrotado de lama.

“O ‘melhor’ de tudo é acordar no outro dia, olhar aquela lama toda e tentar lembrar realmente o que aconteceu… tudo muito engraçado até você se dar conta de que existe um síndico a caminho da sua porta… Não deu outra, com uma ressaca terrível, tive que limpar todo o estrago”, conta B.A. É, depois que passa é engraçado. A farra vale a pena, mas o mico…

Abaixo podemos ver o luxo da festa

A festa também tem comunidade no orkut.

Por Francine Leite e Soraia Camata

Nada se perde, tudo se transforma

5 abr

Nas repúblicas os poucos móveis e eletrodomésticos tem utilidades infinitas. É o banco que vira suporte para a TV, a geladeira velha que serve de armário, os livros usados se transformam em mesas de canto e tantas outras coisas. Tem gente que inventa cada moda:

A Betoneira (mas quem tem uma betoneira em casa?) já não é mais a mesma há muito tempo. Três estudantes de engenharia acharam uma utilidade no equipamento, que originalmente serve para misturar concreto. A mistura agora é de limão, cachaça, gelo e açúcar: Pra que serve uma betoneira?

Estudante que sai de casa e vai morar na “cidade grande” acha que pode tudo. A sensação de liberdade, de poder fazer o que quer, na hora que quer e sem dar satisfação para ninguém domina o “universo republicano”. O esteriótipo de que república é sinônimo de festa e bebedeira já está impregnado na sociedade brasileira e se confirma no blog Republicanas:

E tem lugar melhor do que uma máquina de lavar para fazer caipirinha?

Caipirinha e Omo, disponível em http://republicanas.wordpress.com/

Por Marcelle Desteffani